Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2012

Capital Europeia da Cultura mudou o rosto e a alma da cidade

A Capital Europeia da Cultura Guimarães 2012 trouxe à cidade novos edifícios e a requalificação de símbolos vimaranenses, obras que não só mudaram o "rosto" da cidade, como lhe mudaram a "alma", dando a Guimarães um "novo fôlego".


 

O administrador da Fundação Cidade de Guimarães, Paulo Cruz, destacou algumas das intervenções da componente material de Guimarães 2012, como a Plataforma das Artes e da Criatividade, a requalificação do Largo do Toural, a reutilização da antiga fábrica têxtil Asa e o Instituto do Design, resultado da renovação de outros espaços fabris.

 

A menos de 48 horas da cerimónia de encerramento da Capital Europeia da Cultura Guimarães 2012, o balanço do ano aponta para mudanças de comportamento dos vimaranenses e marcas na cidade que vão perdurar.

 

"A cidade ganhou um fôlego. Inclusivamente ao nível da participação dos cidadãos que observamos em todos os projetos. Trouxe uma nova consciência, a de que as pessoas querem fazer parte dos projetos de decisão", afirmou.

 

Plataforma das Artes

 

Construiu-se a Plataforma das Artes e da Criatividade, uma obra com "várias intenções" e na qual se espera que "fervilhem ideias". Uma obra com um custo que rondou os 17 milhões de euros, e resultou numa "infraestrutura de grande dimensão eclética".

 

Esta, porém, é uma obra que vai além do edifício principal, uma vez que levou também à reabilitação do antigo Mercado de Guimarães que, adiantou Paulo Cruz, terá "um conjunto de espaços vocacionados para a incubação de atividades artísticas de jovens criadores que necessitem de ter um espaço onde possam desenvolver, testar a sua ideia de negócio".

 

No antigo mercado, haverá ainda lojas, uma livraria e uma cafetaria, prosseguindo-se, assim, o objetivo de que "as pessoas sejam ali levadas quase como iam no passado ao mercado" e que "se surpreendam e contactem com o processo criativo".

 

Espaço ASA

 

O Espaço Asa, instalado numa das maiores fábricas têxteis da história de Guimarães, desativada há sete anos, corporiza o "espírito" desta Capital Europeia da Cultura: "dar outra vida".

 

A Asa acolheu o Laboratório de Curadoria, em que se "debateram processos criativos e curatoriais contemporâneos" que, ao longo do ano, fizeram com que o espaço fosse "sofrendo mutações". O espaço acolheu exposições, salas de ensaios de artes performativas, de espetáculos e de criação.

 

"Todo este espaço se propiciou para experiências menos usuais. Foi um espaço de reflexão, de partilha de novas práticas artísticas", concluiu Paulo Cruz.

 

Reabilitação urbana

 

Guimarães 2012 trouxe também mudanças e renovação de velhos locais da cidade, como o Largo do Toural e a zona de Couros, onde se situa agora o Instituto do Design, em antigas fábricas de curtumes.

 

A renovação do Toural, que custou cerca de sete milhões de euros, foi uma das mais significativas intervenções da CEC.

 

"A renovação do Toural permitiu uma alteração de escala, mais adequada àquela fachada pombalina. Beneficiou a circulação pedonal, reduziu um pouco a presença do automóvel e, sobretudo, devolveu uma maior permeabilidade à zona da alameda", referiu.

 

Finalmente, apontou Paulo Cruz, a instalação do Instituto de Design em Couros, um investimento na ordem dos 8 milhões de euros, e um dos "exemplos de que a componente material não tratou apenas de renovar espaços para uma utilização efémera".

 

Neste contexto, autarquia e Universidade do Minho tiveram a "oportunidade" de criar "condições laboratoriais adequadas à instalação de um instituto", permitindo o trabalho conjunto de designers, empresas e investigadores.

 

"Mudou não só o rosto. Mudou também um bocadinho da alma da cidade. Este ano foi uma oportunidade de expandir os seus horizontes, de surpreender, de chocar, de permitir o desenvolvimento de projetos", concluiu Paulo Cruz.

 

Agência Lusa

publicado por Equipa SAPO às 11:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito

As polémicas da Capital Europeia da Cultura

Espetáculos, cinema, festas e praças cheias marcaram a Capital Europeia da Cultura Guimarães 2012, um evento único, também marcado por acusações de falta de pagamento a artistas, uma Casa da Memória vazia e um comandante da GNR destituído.



Guimarães 2012 foi também notícia pelo abandono dos artistas palestinianos do projeto Sarha por incumprimento da produtora contratada pela Fundação Cidade de Guimarães para a iniciativa, o Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua (CCTAR), também responsável pelos espetáculos dos La Fura dels Baus no evento.

 

As vozes mais críticas do projeto foram mesmo as de artistas que acusaram, e acusam, a Fundação Cidade de Guimarães de não lhes pagar os honorários contratualizados tendo mesmo formado um grupo "Eu fiz parte mas não me pagam".

 

A Casa da Memória, apresentada como um "museu-casa de encontro" da cidade de Guimarães com o indivíduo, retratando a "cidade Património da Humanidade" através de cada vimaranense, está erguida, na antiga fábrica de plásticos Pátria, mas permanece vazia.

 

O espaço acabou por ser utilizado por algumas iniciativas de Guimarães 2012, como a Contextile, mas ainda não está prevista nenhuma data para a conclusão do projeto museológico, ficando por concluir um projeto de quatro milhões de euros.

 

Também por completar está a iniciativa do projeto "Constelações", do programa associativo Tempos Cruzados. A diferença é que este tem execução assegurada para o ano de 2013. Na base desta "reprogramação" esteve o atraso das transferências de verbas dos fundos comunitários para Guimarães 2012.

 

Aliás, no dia em que se começa a festejar o fim da CEC 2012, a Fundação Cidade de Guimarães recebeu apenas cerca de 7 dos 21 milhões de euros dos fundos comunitários destinados ao evento.

 

Em falta, acusa o CENA - Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espetáculo e do Audiovisual, estão também os pagamentos aos artistas, que formaram mesmo o movimento "Eu Fiz Parte mas Não me Pagam", alusão ao lema de Guimarães 2012, "Nós Fazemos Parte".

 

Os "calotes" da CEC chegaram mesmo ao Parlamento com o presidente da Fundação a assegurar que estavam "já a ser regularizados" e os artistas a acusar Serra de mentir. A verdade é que o próprio responsável pela CEC admitiu, em entrevista à Lusa, ter salários em atraso.

 

Um país foi enterrado na CEC Guimarães 2012. Portugal de seu nome. Carpideiras lamentaram a morte do "querido marido", "morto à traição". Soldados da GNR encabeçaram o cortejo lobregue e dispararam uma salva de tiros.

 

Os cartuchos foram apanhados pelo Comandante do Posto Territorial de Braga que acabou destituído por ter autorizado a participação de soldados, fardados a rigor, no enterro do país.

 

Quem passou pela CEC e tentou descarregar a aplicação Descobrir Guimarães para iphone ou android é capaz de ter tido dificuldades, uma vez que a mesma, apesar de ter sido apresentada numa conferência de imprensa, não chegou funcionou em pleno.Embora a organização diga que sim.

 

Não obstante alguns percalços, Guimarães 2012 contabilizou milhares de espectadores, centenas de exposições, dezenas de concertos e exposições, num ano único para a cidade.

 

Agência Lusa

publicado por Equipa SAPO às 10:40
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2012

Guimarães 2012: um ano em imagens

A Capital Europeia da Cultura (CEC) Guimarães 2012 termina oficialmente no dia 23 de dezembro. Durante um ano, a cidade-berço foi palco para espetáculos, exposições, criações, debates e muitos outros acontecimentos. Ficam aqui algumas imagens que fizeram parte de Guimarães 2012.



publicado por Equipa SAPO às 11:37
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 18 de Dezembro de 2012

Coração da Capital Europeia da Cultura fez de Guimarães destino para lua-de-mel

O coração do logótipo da Capital Europeia da Cultura Guimarães 2012 foi o "fator X" para um casal de polacos escolher aquela cidade do Minho como destino para a lua-de-mel, numa "viagem pela cultura do amor".


 

Depois de uma semana na cidade, Anne e Francklin, 29 e 32 anos, confessaram em entrevista à Lusa o desejo de que a vida a dois seja como Guimarães: bela, mas com menos chuva.

 

Das praças, ruas, cafés e avenidas vimaranenses levam memórias que se prendem aos sabores, ao "cinzento alegre da cidade", a espetáculos, edifícios e à História de Portugal.

 

Podiam ter ido para qualquer outro lugar, explicaram. Mas a "navegar sem destino pela web" viram o "coração de Guimarães" num blogue sobre Portugal. "Que melhor presságio para uma lua-de-mel. Foi o fator X para escolhermos", questionaram.

 

Conheciam Portugal, "vem nos livros de História da Europa", mas nunca tinham ouvido falar da "pequena" cidade do Minho onde, como souberam já em Guimarães, nasceu um país.

 

"O mais complicado foi dizer para onde vínhamos aos nossos amigos. Não é um nome fácil", brincaram. As variadas formas como pronunciaram Guimarães ao longo da conversa comprovam a dificuldade.

 

"Mal chegámos a Guimarães vimos o coração de que viemos atrás numa das entradas da cidade. Enorme e colorido. Soubemos logo que tínhamos acertado", disse Anne.

 

Em Guimarães, visitaram alguns dos sítios emblemáticos que marcam a cidade. O castelo, "lindo e oponente", as praças medievais de Santiago e da Oliveira, a "magnífica" praça do Toural e o Paço dos Duques, "uma pérola".

 

Só quando chegaram a Guimarães se aperceberam "o que era" uma Capital Europeia da Cultura, nunca tinham visitado uma. "Conhecíamos o formato. Mas nunca tivemos curiosidade para ver uma. Viemos pelo coração, mas levamos daqui muito mais. Fizemos uma viagem pela cultura do amor", explanou Francklin.

 

Do que mais gostaram? "Ficámos estonteados com a beleza da Plataforma das Artes e da Criatividade. O bronze das paredes de dia, as cores de noite, a pedra preta. Ficava bem em qualquer cidade moderna do mundo", responderam.

 

Depois de sete dias na cidade, partem com pena. "Queríamos ver a festa final. Mas não vai dar. Mas vamos felizes. Aliás, espero que a nossa vida seja como esta cidade bela, cheia, mas com menos água. Apanhámos chuva quase todos os dias", brincam, enquanto mostram o guarda-chuva com o logótipo da CEC.

 

Anne e Francklin vieram atrás de um coração. Encontraram uma cidade com sabores, "um cinzento alegre", com uma história que, disse Anne, "passa a História do próprio país".

 

Em Guimarães, dizem ter sido felizes. Mas também ter cometido um pecado pelo qual temem "arder no fogo do Inferno", mas só daqui a muitos anos.

"Não há alma que resista ao pecado da Gula nesta cidade. Dos bolos às carnes. Pecámos. Mas pecámos com prazer", confessaram.

 

Agência Lusa

publicado por Equipa SAPO às 13:06
link do post | comentar | favorito

Guimarães 2012 introduziu novas questões na cultura portuguesa

O secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, considerou esta terça-feira que “no que toca ao seu programa artístico e cultural, Guimarães 2012 cumpriu com mérito as aspirações e os objetivos que se lhe colocavam”.


Em depoimento enviado à Lusa, de balanço da Capital Europeia da Cultura (CEC), o novo secretário de Estado considerou que estes objetivos foram atingidos, “nomeadamente ao nível da pluralidade e diversidade e ao nível do envolvimento e da exigência”.

 

Jorge Barreto Xavier considerou que “na Cultura portuguesa, Guimarães 2012 teve também um outro benefício significativo, que perdurará no tempo: ter introduzido, no discurso e na reflexão, um conjunto de problemáticas que, atualmente, se revestem da maior importância”.

 

São elas, segundo o responsável governamental, questões “como a participação dos cidadãos no processo cultural, as relações entre o sistema cultural, o sistema educativo e o sistema económico no quadro das cidades atuais, ou a questão das relações entre cultura e regeneração urbana e social”. Para o secretário de Estado, “essas questões fazem hoje parte do núcleo central dos debates sobre orientações de política cultural”.

 

Neste balanço, o responsável da Cultura salientou ainda que “a internacionalização da cultura portuguesa ficou também a ganhar com Guimarães 2012, que teve um irrefutável impacto no público externo, atraindo à CEC pessoas de vários países europeus, e de fora da Europa”.

 

Barreto Xavier destaca, também, “o considerável conjunto de artistas internacionais que participou na concretização desta Capital Europeia da Cultura” e salienta ainda “o efeito que Guimarães 2012 teve em responsáveis políticos e protagonistas do mundo das artes e da cultura, em Portugal e fora do país”.

 

O secretário de Estado da Cultura será o último de uma série de responsáveis governamentais a lidar com a CEC, depois de, no final de 2006, Isabel Pires de Lima, ministra socialista, ter lançado o processo de candidatura. A pasta da Cultura, entretanto, passou pelas mãos de José Pinto Ribeiro, Gabriela Canavilhas e, já como secretário de Estado, por Francisco José Viegas, substituído em outubro pelo atual responsável.

 

Agência Lusa

publicado por Equipa SAPO às 12:36
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 5 de Dezembro de 2012

CEC despede-se com a mensagem "Então ficamos..."

"Então Ficamos…" é a mensagem do último espetáculo da Capital Europeia da Cultura (CEC) Guimarães 2012, que termina com 48 horas de animação de rua, o regresso dos La Fura Dels Baus e a Gala de Natal da RTP.




Depois de quase um ano de espetáculos, exposições, criações de arte, obras e reflexão, Guimarães 2012 encerra no fim de semana de 21, 22 e 23 de dezembro.

 

Os dias finais da CEC incluem ainda um concerto de órgão ibérico, eventos culturais pelos espaços comerciais da cidade e mostra de projetos desenvolvidos nos laboratórios de Guimarães 2012.

 

A 22 de janeiro, os La Fura Dels Baus começaram a contar uma história na CEC, dividida em cinco capítulos. O final da história é contado a 21 de dezembro. O cavalo e o “transformer” voltam ao Toural para, entre uma parada de tochas, “vídeo mapping”, uma rede humana e um coro infantil, fecharam a CEC 2012 e abrirem uma nova etapa, "Tempo para Guimarães ser mais".

 

Na noite anterior, a 21, é tempo do espetáculo que marca o mote de Guimarães 2012 subir ao palco. "Então Ficamos…". No palco do Multiusos vão confluir dois anos de trabalho desenvolvido na comunidade vimaranense, apresentado por centenas de pessoas que participaram nas várias residências artísticas nas freguesias que preencheram os anos de 2011 e 2012.

 

Também dia 22, no Centro para os Assuntos da Arte e Arquitetura, serão apresentados os trabalhos desenvolvidos nas aulas, nos workshops e nos sprints, que decorreram ao longo do quadrimestre. Esta mostra terá apresentações individuais e sessões de perguntas e respostas.

 

O fim de semana de fecho da CEC marca ainda o final do IV Festival Internacional de Órgão Ibérico, com um concerto na Igreja de Santo António dos Capuchos do organista José Carlos Miranda e do solista Giampaolo Di Rosa, que vão interpretar obras de Haendel e Dvorak.

 

O programa cultural de Guimarães 2012 será apresentado, numa versão concentrada, a 23 de dezembro, no espetáculo Programa Memória, na Plataforma das Artes e Criatividade, no qual estarão presentes todas as áreas da programação da CEC.

 

A CEC Guimarães 2012 acaba dia 23 de dezembro, com a Gala de Natal da RTP. O Natal sobe ao palco do Pavilhão Multiusos durante um concerto no qual serão interpretados os ícones musicais tradicionais da quadra pela Fundação Orquestra Estúdio, e por um leque de convidados surpresa.

 

A Fundação Cidade de Guimarães garante ainda animação contínua pela cidade e espaços comerciais, que aceitaram o convite para programar eventos culturais e, de forma simbólica, demonstrar a emancipação da cidade e das suas estruturas comerciais, que veem reforçado o seu papel da oferta cultural da cidade.

 

Agência Lusa

publicado por Equipa SAPO às 17:50
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2012

Centro histórico de Guimarães retratado em moeda de coleção

A cidade-berço, que este ano é Capital Europeia da Cultura, serviu de inspiração para uma moeda de 2,50 euros. A moeda de coleção comemorativa do Centro Histórico de Guimarães celebra a área da cidade classificada de Património Mundial da UNESCO.

 

A moeda – da autoria do escultor António Marinho –, apresenta no anverso uma composição em planta dos elementos arquitetónicos mais significativos, procurando exprimir a ideia de visão espacial do local e, simultaneamente, destacar o Centro Histórico de Guimarães num contexto mundial.

 

O reverso da moeda apresenta, em planta, a praça e a Colegiada de Nossa Senhora da Oliveira. É ainda visível um apontamento da Rua de Santa Maria, que é, pela sua importância e identidade, a expressão da vida quotidiana da população vimaranense.

 

Vão ser emitidas 5 mil unidades com acabamento proof (prova numismática), uma cunhagem especial com fundo brilhante espelhado, e 100 mil unidades em cuproníquel, com acabamento normal.

 

Esta é a 14.ª moeda da série dedicada aos locais classificados pela UNESCO em Portugal. A série foi iniciada em 2004 e a sua conclusão está prevista para o próximo ano, com a emissão de uma moeda alusiva a Elvas e às suas fortificações, recentemente classificadas como Património Mundial.

 

SAPO Notícias

publicado por Equipa SAPO às 16:17
link do post | comentar | favorito

Cultura na cidade-berço

Guimarães é Capital Europeia da Cultura durante 2012. O SAPO Notícias quer sentir o pulso à cidade-berço através de reportagens, testemunhos e curiosidades.

Categorias

. Página inicial
. Em foco
. Locais
. Testemunhos

Agenda

Confira a programação completa da Capital Europeia da Cultura no site oficial.

Pesquisa

Posts recentes

Capital Europeia da Cultu...

As polémicas da Capital E...

Guimarães 2012: um ano em...

Coração da Capital Europe...

Guimarães 2012 introduziu...

CEC despede-se com a mens...

Centro histórico de Guima...

Emigrantes vimaranenses r...

Cinema e música são duas ...

Dormir numa escultura em ...

Canal de vídeos Guimarães 2012 no SAPO

tags

todas as tags

blogs SAPO

Subscrever feeds